domingo, 13 de maio de 2007

As Vitrines

Chico Buarque - 1982

Eu te vejo sair por aí
Te avisei que a cidade era um vão
-Dá tua mão
-Olha pra mim
-Não faz assim
-Não vai lá não

Os letreiros a te colorir
Embaraçam a minha visão
Eu te vi suspirar de aflição
E sair da sessão, frouxa de rir

Já te vejo brincando, gostando de ser
Tua sombra a se multiplicar
Nos teus olhos também posso ver
As vitrines te vendo passar

Na galeria
Cada clarão
É como um dia depois de outro dia
Abrindo um salão
Passas em exposição
Passas sem ver teu vigia
Catando a poesia
Que entornas no chão

1981 © - Marola Edições Musicais Ltda.
Todos os direitos reservados
Direitos de Execução Pública controlados pelo ECAD (AMAR) Internacional Copyright Secured


As Vitrines é a primeira faixa do LP Almanaque, de Chico Buarque.
O bolachão imita, em seu encarte, um almanaque de verdade, com o calendário de 1982 estampado de um lado, indicando o santo correspondente a cada dia do ano e, de outro, um horóscopo rodeado por pensamentos emoldurados, extraídos das letras das músicas do disco.
Na parte interna, o anúncio: “MAGAZINE ANNUAL ILUSTRADO. Anecdotas, Caricaturas, Informações, Charadas, etc.” Jogos, charadas e brincadeiras são assinados por Chico Buarque e Elifas Andreato, este também responsável por criação, pesquisa, edição e artes da capa.
Além da ficha técnica, várias ilustrações, fotos da gravação em estúdio imitando histórias em quadrinhos, brincadeiras e curiosidades:
10.09.82 comemoração do segundo aniversário do monumental Centro Recreativo Vinícius de Moraes. Como ponto máximo da festa, o sensacional embate entre o Politheama X Namorados da Noite, que contarão com suas forças máximas”.
Para quem não sabe, Politheama é o time do Chico, e Namorados da Noite, do Toquinho.
Voltando ao encarte. Para cada música, há uma brincadeira ou ilustração diferentes.
Na canção Ela é Dançarina, por exemplo, que traz o subtítulo eu quero dormir e ela precisa dançar, acima da letra, há um jogo de palavras cruzadas que traz, no esqueleto, as palavras “funcionário”, na vertical, e "dançarina", na horizontal.
Na verdade, Adelaide, a mãe do Julinho, pseudônimo criado pelo autor para driblar a censura, já criava palavras cruzadas para o Jornal do Brasil.
Fato é que não somente as cruzadas, mas os jogos com as palavras, em geral, sempre encantaram o compositor. Quando estava exilado em Roma, Chico Buarque tornou-se correspondente do Pasquim. Jaguar narra o episódio:
“Quando Chico era nosso homem na Itália toda semana a gente publicava matéria dele. Era um correspondente aplicado. (...)
Agora... Liguei para ele pedindo para escrever alguma coisa para o primeiro número do Pasquim paulista. "Minha agenda estourou. Tô enlouquecido, ensaiando o show com Bethânia para o dia 2 em Paris." "Pô, Chico, tremenda sacanagem nos deixar na mão!" "Fazer matéria nem pensar, mas se vocês quiserem um palíndromo..." Palíndromo, como talvez só o Houaiss saiba, é uma frase que significa literalmente o mesmo, seja lida de cá pra lá, como de lá pra cá, da direita para a esquerda. "Levei 5 horas fazendo", disse Chico. "Insônia." Era pegar ou largar. Peguei. (...).” (Jaguar).
Eis o palíndromo: “Até Reagan sibarita tira bisnaga ereta
Mas este texto se propunha, ou se propõe, a dizer algo sobre a canção As Vitrines, esquecida lá no primeiro parágrafo.
No encarte do disco Almanaque, a letra de As Vitrines aparece dividida em quatro quadrantes, espelhada, dando a idéia de que seu teor se reproduz, a exemplo da personagem da canção, com “sua sombra a se multiplicar”, a iludir e encantar o leitor, admirador, ou poeta, “catando a poesia" que entorna no chão.
No primeiro quadrante está a letra original. Abaixo, a mesma letra, de ponta cabeça.
À direita, refletida, a letra segue seu caminho normal: “Eu te vejo sair por aí/ Te avisei que a cidade era um vão/ Dá tua mão/ Olha pra mim/ Não faz assim/-Não vai lá não”. Na estrofe seguinte, quando o leitor desatento do Almanaque espera ler os versos que ouviu, “Os letreiros a te colorir”, o poeta almanaqueiro surpreende e avisa: “Ler os letreiros aí troco”,
E passa, de fato, a trocar os versos originais por outros.Embaçam a visão marinha/Vi tuas fúrias e predileção/Errar sisuda, sã fora de eixos”.
Para quem elabora palavras cruzadas e faz palíndromos nos momentos de insônia, bolar anagramas não é das tarefas mais difíceis. Anagramas são palavras diferentes que possuem as mesmas letras, como Iracema e América.
A versão espelhada de “As Vitrines é inteira composta com anagramas dos versos da letra original!
“Abrindo um salão” se transforma em “um absalão rindo”.
Outra letra. As mesmas letras!
Confira...

As Vitrines////As Vitrines

Eu te vejo sair por aí////Eu te vejo sair por aí
Te avisei que a cidade era um vão//Te avisei que a cidade era um vão
-Dá tua mão////-Dá tua mão
-Olha pra mim////-Olha pra mim
-Não faz assim////-Não faz assim
-Não vai lá não////-Não vai lá não
Os letreiros a te colorir///Ler os letreiros aí troco
Embaraçam a minha visão////Embaçam a visão marinha
Eu te vi suspirar de aflição//Vi tuas fúrias e predileção
E sair da sessão, frouxa de rir//Errar sisuda, sã fora de eixos
Já te vejo brincando, gostando de ser//Doce vento, grandes beijos do jantar
Tua sombra a se multiplicar////Um militar saber tuas polcas
Nos teus olhos também posso ver//Bem postos meus versos antolhos
As vitrines te vendo passar////Patinavas, sorvetes, diners
a galeria////Na alegria
Cada clarão////A cara do clã
É como um dia depois de outro dia///Um doutor doido me cedia poesia
Abrindo um salão////Um absalão rindo
Passas em exposição//Pião, sexo, asa, espaço
Passas sem ver teu vigia//És súpita virgem avessa
Catando a poesia////A asteca do piano
Que entornas no chão///Quão sonha no center

Fontes: - Entrevista de Julinho de Adelaide a Mário Prata no jornal Última Hora - 07 e 08/09/74
-
Pasquim São Paulo Ano XVIII, número 13, a 10 de julho de 1986

P.S.: Depois de escrever esta crônica, o autor também se tornou um adicto em palíndromos. Pura falta de inspiração. Ou insônia. Se o Jaguar quiser, é pegar ou largar:
“Lá é retrô, fiel à lei forte real”
“Ata, berra, arrebata.”
“A labareda Nader abala”

2 comentários:

Anônimo disse...

Morão
O cara é gênio...Mas escrever sobre ele é tuuuudo de bom!e ler melhor ainda!
bjs
T AMO

Alfredo Oliveira disse...

Olá Morão, nada conheço sobre seu blog, mas decidi escrever antes de desfrutá-lo, de propósito.

Tinha eu vite e poucos anos e muito tempo sobrando, descobri essa curiosidade na capa do Almanaque, então, recém lançado.

No momento da descoberta senti uma estranheza, pois sentia que estava enxergando uma coisa que poucos viam. Mas o que me estarreceu foi a próxima descoberta.

Em qualquer conversa onde o assunto descambe pra o nosso Chico, conto essa minha façanha e vou partilhar aqui também.

Não sei porque lembrei desse assunto justamente hoje (anos e anos depois) mas resolvi procuar na internet alguma referência a alguém ter descoberto essa segunda letra na música de Chico. Nada além do seu blog, que estou ansioso por destrinchar. Mas vamos a segunda descoberta, que eu ainda nem sei se você ou outra pessoa pegou.

Escrevam os versos que foram modificados na segunda letra, ao lado de cada verso da letra original.

Cortem cada uma das vogais no verso original e depois corte vogal igual no verso modificado. Façam isso segurando o queixo, pois descobriram que ele usou em cada um dos versos as mesmas vogais e consoantes para construir o verso modificado. Não sobra ou falta nenhuma letra em nenhum dos versos.

Ia dar um exemplo mas resolvi consultar o texto do post e vi que o próprio autor "Julinho da Adelaide" cantou a pedra.

Só não me perguntem porque eu resolvi contar as letras. Coisa de adolescente com muito tempo de sobra.

Abs e parabéns pelo conteúdo
Freddo